---------------------------------------------------------------------------------

---------------------------------------------------------------------------------

Nintendo tentou comprar licença de “Harry Potter”

Créditos: Potterish

De acordo com o site Unseen 64, em 1998 a equipe da Nintendo na América buscou comprar o direito de criatividade e desenvolvimento exclusivo de produtos do universo de Harry Potter. Se a ação tivesse tido êxito, a Nintendo teria assegurado o direito de produzir todas as adaptações da série de livros que fossem produzidos no futuro na plataforma de videogames, impedindo assim as eventuais adaptações para o cinema

A Nintendo planejava desenvolver as adaptações, com versões para os consoles Nintendo 64, Game Boy Advance e mais tarde Gamecube; bem como qualquer plataforma futura desenvolvida pela empresa. Estes lançamentos acompanhariam o lançamento de cada novo livro.

Houve um desentendimento sobre qual estilo de arte adotar para o desenvolvimento da franquia. De inicio optou-se pelos desenhos inspirados na arte de Thomas Taylor, ilustrador da capa do primeiro livro. No entanto, não demorou muito e os superiores do estúdio pediram os traços dos projetos voltados para o mercado japonês, em um traço mais próximo dos de mangás. Fato este que trouxe divergências entre artistas e estúdio, pois era claro o apreço britânico da autora da obra.

J.K. Rowling concordou em ver a apresentação da Nintendo, e terminou por recusar a proposta da Big N. Segundo o mesmo artista, a escritora recusou várias outras propostas feitas por gigantes da mídia como Disney e Universal. Considerando que a licença era “guarda-chuva”, ou seja, cobria todos os formatos de adaptação, incluindo não só os jogos de vídeo, bem como televisão e cinema, a Nintendo só foi capaz de oferecer possibilidades no reino limitado dos videogames.

Veja algumas artes conceituais de cenários que você podem conferir a seguir:






Postar um comentário