---------------------------------------------------------------------------------

---------------------------------------------------------------------------------

Matthew Lewis fala sobre Neville em HP7.2!

Matthew Lewis (Neville) deu uma entrevista ao jornal Los Angeles Times onde falou sobre o último filme da série Harry Potter, confira a entrevista abaixo:

 Neville é um dos personagens mais impressionantes nos livros. Ele poderia ter sido o Eleito em vez de Harry. Isso influenciou a forma como você o interpretou?
ML: Bem, quero dizer não, no passado. Eu não tinha lido o quinto livro, não havia sido lançado no momento em que eu estava fazendo Neville Longbottom nos primeiros filmes, por isso não era algo que eu estava realmente ciente. E então eu decidi ler os que haviam sido lançados depois, e então você percebe o quão fundamental é o seu personagem. Ele poderia ter sido Crucial. Foi interessante.
Eu não acho que Neville estava ciente do que estava acontecendo. Eu só acho que ele é um tipo de cara que todos os dias acabam por ser apanhado nesta situação louca. Harry é um herói, e Neville não é. Ele é apenas uma criança comum, e tudo acontece de repente e ele faz sua parte. Eu acho que é bastante cativante. Eu amo a idéia de que ele não está realmente consciente de todas essas profecias e coisas, e quão importante e especial que ele realmente é. 

Ele faz o que ele acha que é certo, independentemente do caos ao seu redor?

ML: Exatamente, exatamente. Essa é a coisa agradável. Ele tem coração incrível e muita coragem, e ele tem nenhum interesse na política. Ele só quer permanecer fiel aos seus amigos e fazer a coisa certa.

Ele parece mais um Lufano. No filme final, ele começa a ter seu momento Grifinório?
ML: É aquela coisa estranha que J.K. Rowling fez quando escreveu a personagem. Todos pensavam: “Bem, por que ele está na Grifinória?” E isso só mostra que você não tem que ser perfeito. Você não precisa ser um herói Brad Pitt apenas para ser corajoso e ajudar seus amigos quando realmente importa.
Acho que todo mundo pode se relacionar de alguma forma, principalmente às pessoas que estão na escola. Tipo, eu não estava no time de futebol na escola, mas não importa. Você ainda pode fazer a diferença. Ele estava sempre observando Harry. Ele aprendeu com Harry. Eles são pessoas muito semelhantes em termos do que aconteceu com eles em seu passado, e acho que ele se inspira em Harry, particularmente nos filmes cinco e seis. E agora ele entrou nesse papel, enquanto Harry foi embora, e ele é realmente fez o seu papel. Ele mudou muito. Ele percorreu um longo caminho.

Nós começamos a vê-lo como o líder de um exército?

ML: Há alguns bons momentos em que Mcgonagall está distribuindo instruções, e Neville tem um trabalho a fazer, e ele chama seu bando de soldados, e eles vão. É uma coisa muito legal. Neville é um líder neste filme. Há um par de momentos na sala Precisa com o resto da Armada de Dumbledore, onde realmente vemos Neville como este líder da resistência, onde está instruindo os alunos o que fazer e aonde ir. Ele é como um veterano de guerra.
 
Qual foi sua parte favorita em filmar o último filme?

ML: Todas as seqüências de batalha foram simplesmente fantásticas. Acrobacias e coisas assim não são algo que você começa a fazer todos os dias. E trabalhar com os explosivos e correndo, disparando feitiços e usando espadas e outras coisas – não é algo que você faz o tempo todo. Então isso foi tão divertido, capaz de fazer tudo isso e se divertir.

A parte mais desafiadora?

ML: Eu tenho um par de cenas com Ralph Fiennes, que foram muito assustadoras, porque ele é tão bom no que faz. Ele é tão bom em interpretar Voldemort, e ele tem esse sentimento muito sinistro, malévolo no set. Ele ajuda você a entrar no personagem, posso dizer-lhe isso. Mas, ao mesmo tempo, eu estava apavorado! Eu estava nervoso. Eu estava pensando: “Puxa, ele é Ralph Fiennes. É um ator incrível, e vou ter essa cena com ele. “Mas eu gostei, você sabe. Isso é o que eu gosto na atuação – me esforçar e ver se consigo fazer essas coisas.

Postar um comentário